Livrai-nos dos invejosos, amém!

 

 

As pessoas admiram suas qualidades em silêncio e julgam seus defeitos em voz alta. 

Parece só mais uma frase de efeito, mas, no fundo, essa frase demonstra uma correspondência assustadora com a realidade.

A sociedade, totalmente insuportável não podemos negar, simplesmente se delicia apontando os defeitos alheios, como se todo mundo fosse perfeito e ótimos exemplos a serem seguidos.

Quando a pessoa quer botar um defeito – ou vários -, ela coloca e ainda aumenta! Se intromete, tenta deixar do jeito que acha que tem que ser. Mas não é bem por aí, pois o mundo não gira em torno do seu umbigo.

Porra! Foda-se! Tô nem aí para vocês, bando de invejosos!

Ninguém, nem mesmo você – chato – é perfeito e tem a obrigação de mudar para agradar alguém.

Nos achamos experts em observar e apontar os erros de nossos semelhantes, mas não conseguimos aceitar e ficamos furiosos quando nossas falhas são apontadas. É um comportamento humano típico! Essa crueldade com que as pessoas costumam julgar umas às outras é o que me faz achar metade do mundo uma droga.

Sempre que presencio alguém recriminando outra pessoa por um determinado defeito, ou reparando demais em determinada característica, vejo que o ponto que incomoda tanto no outro é aquilo que falta ou sobra dentro dela. Se falta, é inveja por não ter; se sobra, é inveja por não saber lidar com aquilo tão bem quanto o outro. A questão não é ser de tal jeito, e sim se sentir bem sendo de tal jeito!

 

 

Anúncios

Toda forma de amor vale a pena

Para mim, é impensável vivermos em plenos anos dois mil e ainda presenciarmos toneladas de preconceito em cima de quem escolheu amar alguém do mesmo sexo. Amor é amor!

Esqueça a religião, Adão e Eva, paradigmas sociais. A natureza está aí para provar que o amor entre pessoas do mesmo sexo existe desde que o mundo é mundo. Desde as eras mais primitivas. A bem da verdade, é sempre difícil lutar contra a natureza. É difícil silenciar o amor. Difícil julgar quem tem um coração recheado de bons sentimentos e mesmo assim tem que se esconder por receio do que a nossa sociedade hipócrita possa achar.

Há muito tempo as coisas tem melhorado, mas isso não torna a situação mais fácil para quem teve uma educação mais rígida dentro de casa e aprendeu a não aceitar “certas coisas”.

Na minha opinião, o amor devia estar acima de qualquer coisa. Escolher amar alguém do mesmo sexo não é problema, não é doença e nem desvio de caráter. Pelo contrário. Para mim é tão natural que fica até difícil explicar.

Na verdade, o que mais me incomoda é o preconceito camuflado, pois esse é o pior tipo de preconceito. Fico triste que existe muita gente que se ama, se cuida e se respeita, mas nossa sociedade os leva a acreditar que estão errados. Isso é mesmo errado?? Desde quando amar é errado?? Todos podem e devem amar quem quiser, pois é o amor que dá sentido à vida. E quem se acha no direito de tirar o sentido da vida de alguém por puro preconceito? Isso não nos leva a lugar nenhum…ou melhor, leva à amargura e à discórdia. Fuja disto!

Os tempos mudaram. Sim, mudaram. Não está mudando, já mudou…A fila tem que andar certo?? Desperte para a nova realidade!

Vamos nos focar em coisas mais relevantes, deixando as pessoas que se amam curtirem a vida da maneira que lhes convém? Afinal, são senhores dos seus instintos, desejos e preferências sexuais

Vamos parar com essa perseguição e manter nossas convicções, mas com o sensor de respeito sempre alerta, anunciando que devemos ter limites com nossos semelhantes e que ninguém é obrigado a ser ou não ser o que o outro idealiza. Respeito às diferenças e preferências alheias…sempre!

As pessoas são livres! Vamos amar, respeitar e exigir respeito de cada ser, independente dos padrões que achamos ser o mais adequado, segundo nosso refinado paladar. Sejamos nós mesmos e amemos sem medo de ser feliz, afinal, qualquer maneira de amar vale a pena.

 

Um brinde às diferenças!

 

Definitivamente: está se tornando cada vez mais complicado se relacionar com os outros, com o diferente e as diferenças. Desde o nascimento, nós, seres humanos, começamos a criar laços, a conhecer, a lidar com o mundo ao redor e com pessoas que nem sempre são parecidas com a gente.

O tempo todo nos deparamos com a diversidade, com aquilo que na maioria das vezes não casa com o que pensamos, queremos ou aprendemos a pensar. Nem sempre as diferenças são negativas; muito pelo contrário: as diferenças, em sua grande parte, somam, nos ensinam, nos fazem refletir. No entanto, elas vão de encontro com tudo aquilo que internalizamos e que demoramos anos para tal, des(constróem) pilares de conceitos e opiniões e nos angustiam, porque estando frente a elas, nos deparamos com nossas próprias limitações.

No nosso contexto, ser único é constantemente nadar contra a maré. Somos ditados pela voz da maioria, seguimos a boiada e os que se percebem diferentes são vistos como estranhos, anormais. Mas, afinal, quem pode se afirmar normal nesse mundo louco em que vivemos?

Percebi que a beleza do ser humano está justamente na diversidade de maneiras de ser, agir e pensar. Percebi o quanto podemos ser diferentes e mesmo assim viver. Basta respeitar!

Um brinde às diferenças, às diversidades, ao desconhecido. Porque bonito é quem sabe conviver com a variedade, com as distinções de forma pacífica e respeitosa.

 

 

 

Você é linda SIM!

Tá bom, não são todas as revistas que lemos que irão dizer a mesma coisa, mas não podemos negar que grande parte é composta por textos que nos fazem sentirmos péssimas com o que temos em nossos armários, com o que somos, com o nosso cabelo. Nos fazem pensar que só seremos completamente felizes e lindas se tivermos tudo aquilo que é dito.

Isso nos faz questionar seriamente sobre as nossas vidas e sobre nos aceitarmos exatamente do jeito que somos. Podemos sim arrumar algo aqui, nos maquiar de determinada forma, dar um brilho no olhar, perder aqueles quilinhos extras. Certamente que tudo é válido, pois, em alguns casos, se tornam uma questão de benefício à própria saúde.

O que pretendo é mostrar para você, mulher linda, que não há porque tentar se transformar naquilo que umas páginas de revistas tentam nos mostrar. Milagres não acontecem e o melhor da vida é podermos nos sentirmos lindas todos os dias, exatamente do nosso jeitinho. Não será uma olheira, um cabelo despenteado, uma unha sem fazer que fará de você uma mulher feia.

Cada uma de nós tem um brilho especial que deve ser valorizado, principalmente na sociedade em que vivemos, cheia de conceitos e paradigmas lançados pelo mundo da moda e pelas línguas que, na falta do que dizer, só tentam nos pôr para baixo e nos tornar escravos dessa ditadura, que transformam tanto a vida de uma mulher que, no fim das contas, nem se reconhecem mais ao encarar o espelho.

Devemos acabar com isso. Se você não frequenta a academia, é criticada sem nem mesmo expor os motivos que a fazem ser assim. Vivemos em um mundo onde não existe o mínimo de empatia pelo outro, já que criticar, apontar o dedo, dizer que fulana é feia, mal arrumada é muito mais fácil.

Respeito pelo jeito de ser de cada uma devia ser regra básica para o convívio em sociedade. TODAS as mulheres, seja ela da idade que for, tem uma beleza que é única e cada uma de nós precisa ser valorizada exatamente pelo que somos, com nossos defeitos, com nossas vontades e desejos.

Pare de dar ouvidos ao que as línguas venenosas estão dizendo. Aceite o seu cabelo, a sua voz, a sua forma de ser. Mude só aquilo que não te faz bem, mas pare de tentar ser perfeita, pois a perfeição é algo que não existe, é apenas uma ilusão sem fim. Ninguém é perfeito. A vida é mais do que andam espalhando por aí, é mais leve, mais bela e a beleza está nos olhos de quem vê.

Você só se sentirá verdadeiramente linda quando se aceitar, mesmo com aqueles quilinhos a mais, usando seu cabelo do jeitinho que ele é ou dentro daquela roupa que não é bem vista aos olhares alheios…e é isso que muda tudo. Não são as pessoas que precisam mudar e sim os pensamentos que você carrega aí dentro. Você precisa aceitar certos defeitos que não te atrapalham em absolutamente nada, porque só assim você conseguirá o respeito alheio.

Comece essa mudança agora. Se olhe com carinho ao acordar. Respeite o seu ritmo, suas vontades, seus desejos e se sinta linda da sua maneira, pois só assim valerá a pena uma mudança ou investimento em relação à sua beleza.

Aprenda a se amar do seu jeito, jogue seu cabelo natural ao vento e deixe-o ser sua marca registrada, a diferença que faltava no meio de tanta cópia espalhada por aí, agradeça os elogios e descarte as ofensas, bem no estilo jogar no lixo, pisar e sambar em cima (rs), ignore os pobres de espírito e tenha um enorme orgulho se si mesma, só assim você se sentirá ainda mais linda!

Nossos pais…nossos espelhos

Todos nascemos com uma enorme bagagem genética. Carregamos traços, expressões, modos de ser daqueles que nos antecederam.

Nossos primeiros espelhos em busca de identidade são nossos pais, aos quais nos jogamos de braços abertos, sem questões. É  a confiança que se instalou desde que começamos a nos entender por gente. Julgamos que se nossos pais fazem, deve ser certo, então eu também posso fazer.

Nem todo mundo tem consciência e nem se dá conta da responsabilidade intrínseca. Achamos que a vida forma as pessoas, mas nos esquecemos que nossos pais são os primeiros espelhos nos quais nos refletimos, ainda que muitas pessoas ainda insistam em negar a relevância das crenças paternas e maternas na sua vida e quanto este exemplo as guia.

Acho engraçado certas pessoas que contam de seus pais e da vida deles próprios e acham que estão falando de vidas distintas. Não, não estão! Para mim, essas vidas, em grande parte dos casos, são uma releitura atualizada da mesma história.

A visão de mundo que possuímos, devemos aos nossos pais. Somos levados a seguir essa visão quase que rigorosamente. Os apavorados, tentam correr para o lado oposto, tentando negar esse espelho. Quanto mais lucidez tivermos ao observar nossos pais, mais poderemos aprender de nós.