Um brinde às diferenças!

 

Definitivamente: está se tornando cada vez mais complicado se relacionar com os outros, com o diferente e as diferenças. Desde o nascimento, nós, seres humanos, começamos a criar laços, a conhecer, a lidar com o mundo ao redor e com pessoas que nem sempre são parecidas com a gente.

O tempo todo nos deparamos com a diversidade, com aquilo que na maioria das vezes não casa com o que pensamos, queremos ou aprendemos a pensar. Nem sempre as diferenças são negativas; muito pelo contrário: as diferenças, em sua grande parte, somam, nos ensinam, nos fazem refletir. No entanto, elas vão de encontro com tudo aquilo que internalizamos e que demoramos anos para tal, des(constróem) pilares de conceitos e opiniões e nos angustiam, porque estando frente a elas, nos deparamos com nossas próprias limitações.

No nosso contexto, ser único é constantemente nadar contra a maré. Somos ditados pela voz da maioria, seguimos a boiada e os que se percebem diferentes são vistos como estranhos, anormais. Mas, afinal, quem pode se afirmar normal nesse mundo louco em que vivemos?

Percebi que a beleza do ser humano está justamente na diversidade de maneiras de ser, agir e pensar. Percebi o quanto podemos ser diferentes e mesmo assim viver. Basta respeitar!

Um brinde às diferenças, às diversidades, ao desconhecido. Porque bonito é quem sabe conviver com a variedade, com as distinções de forma pacífica e respeitosa.

 

 

 

Você é linda SIM!

Tá bom, não são todas as revistas que lemos que irão dizer a mesma coisa, mas não podemos negar que grande parte é composta por textos que nos fazem sentirmos péssimas com o que temos em nossos armários, com o que somos, com o nosso cabelo. Nos fazem pensar que só seremos completamente felizes e lindas se tivermos tudo aquilo que é dito.

Isso nos faz questionar seriamente sobre as nossas vidas e sobre nos aceitarmos exatamente do jeito que somos. Podemos sim arrumar algo aqui, nos maquiar de determinada forma, dar um brilho no olhar, perder aqueles quilinhos extras. Certamente que tudo é válido, pois, em alguns casos, se tornam uma questão de benefício à própria saúde.

O que pretendo é mostrar para você, mulher linda, que não há porque tentar se transformar naquilo que umas páginas de revistas tentam nos mostrar. Milagres não acontecem e o melhor da vida é podermos nos sentirmos lindas todos os dias, exatamente do nosso jeitinho. Não será uma olheira, um cabelo despenteado, uma unha sem fazer que fará de você uma mulher feia.

Cada uma de nós tem um brilho especial que deve ser valorizado, principalmente na sociedade em que vivemos, cheia de conceitos e paradigmas lançados pelo mundo da moda e pelas línguas que, na falta do que dizer, só tentam nos pôr para baixo e nos tornar escravos dessa ditadura, que transformam tanto a vida de uma mulher que, no fim das contas, nem se reconhecem mais ao encarar o espelho.

Devemos acabar com isso. Se você não frequenta a academia, é criticada sem nem mesmo expor os motivos que a fazem ser assim. Vivemos em um mundo onde não existe o mínimo de empatia pelo outro, já que criticar, apontar o dedo, dizer que fulana é feia, mal arrumada é muito mais fácil.

Respeito pelo jeito de ser de cada uma devia ser regra básica para o convívio em sociedade. TODAS as mulheres, seja ela da idade que for, tem uma beleza que é única e cada uma de nós precisa ser valorizada exatamente pelo que somos, com nossos defeitos, com nossas vontades e desejos.

Pare de dar ouvidos ao que as línguas venenosas estão dizendo. Aceite o seu cabelo, a sua voz, a sua forma de ser. Mude só aquilo que não te faz bem, mas pare de tentar ser perfeita, pois a perfeição é algo que não existe, é apenas uma ilusão sem fim. Ninguém é perfeito. A vida é mais do que andam espalhando por aí, é mais leve, mais bela e a beleza está nos olhos de quem vê.

Você só se sentirá verdadeiramente linda quando se aceitar, mesmo com aqueles quilinhos a mais, usando seu cabelo do jeitinho que ele é ou dentro daquela roupa que não é bem vista aos olhares alheios…e é isso que muda tudo. Não são as pessoas que precisam mudar e sim os pensamentos que você carrega aí dentro. Você precisa aceitar certos defeitos que não te atrapalham em absolutamente nada, porque só assim você conseguirá o respeito alheio.

Comece essa mudança agora. Se olhe com carinho ao acordar. Respeite o seu ritmo, suas vontades, seus desejos e se sinta linda da sua maneira, pois só assim valerá a pena uma mudança ou investimento em relação à sua beleza.

Aprenda a se amar do seu jeito, jogue seu cabelo natural ao vento e deixe-o ser sua marca registrada, a diferença que faltava no meio de tanta cópia espalhada por aí, agradeça os elogios e descarte as ofensas, bem no estilo jogar no lixo, pisar e sambar em cima (rs), ignore os pobres de espírito e tenha um enorme orgulho se si mesma, só assim você se sentirá ainda mais linda!

Nossos pais…nossos espelhos

Todos nascemos com uma enorme bagagem genética. Carregamos traços, expressões, modos de ser daqueles que nos antecederam.

Nossos primeiros espelhos em busca de identidade são nossos pais, aos quais nos jogamos de braços abertos, sem questões. É  a confiança que se instalou desde que começamos a nos entender por gente. Julgamos que se nossos pais fazem, deve ser certo, então eu também posso fazer.

Nem todo mundo tem consciência e nem se dá conta da responsabilidade intrínseca. Achamos que a vida forma as pessoas, mas nos esquecemos que nossos pais são os primeiros espelhos nos quais nos refletimos, ainda que muitas pessoas ainda insistam em negar a relevância das crenças paternas e maternas na sua vida e quanto este exemplo as guia.

Acho engraçado certas pessoas que contam de seus pais e da vida deles próprios e acham que estão falando de vidas distintas. Não, não estão! Para mim, essas vidas, em grande parte dos casos, são uma releitura atualizada da mesma história.

A visão de mundo que possuímos, devemos aos nossos pais. Somos levados a seguir essa visão quase que rigorosamente. Os apavorados, tentam correr para o lado oposto, tentando negar esse espelho. Quanto mais lucidez tivermos ao observar nossos pais, mais poderemos aprender de nós.

Um brinde aos sonhadores!

Sim, Amélie estava certa: são tempos difíceis para os sonhadores…Crises, violência, disputas de poder…é, como ter fé e acreditar nos nosso sonhos com tanto mal solto por aí?

O homem é um sonhador.  Ser um sonhador é lutar por aquilo que se quer e não ficar estagnado ao tempo ou espaço, pois somos responsáveis pelo combustível que move o mundo.

Um brinde a nós, eternos sonhadores! Somos soldados e nos curamos a cada ” não vai dar certo” que os céticos despejam sobre nossas cabeças.

Jamais fuja, se exclua ou se diminua…continue criando.

Nunca devemos deixar de sonhar. Que graça teria nossa vida se não fosse nosso poder de ver as coisas com a lente da imaginação? Nada é impossível, nem mesmo as ideias mais loucas, e se continuarmos lutando, conseguiremos, afinal, nada vem de graça. Temos que persistir na batalha, dar o nosso máximo, que só assim conseguiremos tudo que almejamos.

É, são tempos difíceis mesmo para os sonhadores, principalmente para os que decidiram desafiar a fria realidade. Sabemos que não é fácil, mas pior ainda é enfrentar uma vida sem sonhos.

Sonhe…sonhe sempre… mas muito pé no chão e uma pitada de bom senso!Rs.

 

 

 

 

Manifesto Feminista


Nas rodas de conversa, você já deve ter ouvido o termo feminismo, já que estamos vivendo um momento pautado pelo tema. Vejo muitas pessoas xingando e se dizendo contra sem ao menos saber o que significa.

Por favor: o feminismo não é o inverso do machismo! O machismo nada mais é do que um sistema de dominação, superioridade de um sexo em detrimento do outro. O feminismo é um movimento social, filosófico e político que prega a igualdade entre os sexos. Captou a diferença?

Por mais incrível e absurdo que possa parecer, existem mulheres que perpetuam o machismo por aí, impondo a supremacia feminina e, até mesmo, se impondo a outras mulheres. Dizem considerá-lo natural (!!!), se tornando coniventes com sua própria objetificação. Temos que entender que a vida de muitas mulheres ainda é minada, quando não destruída, pelo machismo da sociedade.

Mulheres foram julgadas como incapazes por milhares de anos, mas nos últimos 2 séculos, muitas mudanças vem ocorrendo contra essa opressão histórica. Uma luta que mal começou e que ainda tem um longo caminho a percorrer…

Se os tempos mudaram e nós, mulheres, podemos trabalhar, estudar e ter voz ativa, foi graças ao feminismo, apesar da relutância de algumas “filhas do feminismo” reconhecerem o real valor disso e dizerem não precisar do feminismo. Sim, nós precisamos do feminismo! E o ponto de partida é entender que a sociedade não é igual para homens e mulheres.

Enquanto existirem regras do tipo “mulher não pode isso, mulher não pode aquilo” por trás de um machismo travestido de valores familiares ou bom senso, o feminismo será necessário. Enquanto tivermos que ignorar olhares e abordagens invasivas, o feminismo será necessário. Enquanto tivermos medo de andar sozinhas na rua à noite, o feminismo será necessário. Enquanto houver o medo de ser violentada verbal, sexual ou psicologicamente, o feminismo será necessário. Enquanto nossa média salarial for inferior a dos homens, o feminismo será necessário. Enquanto a sociedade impuser padrões de beleza, comportamento e vida, o feminismo será necessário. Enquanto meu caráter for medido pelo comprimento do meu vestido, o feminismo será necessário. Enquanto não nos sentirmos livres o suficiente para escolhermos ser o que quisermos, o feminismo será necessário.

Ter algo a dizer não significa má atitude. Aliás, se você tem realmente algo a dizer, saia e conte para o mundo! Porque ser feminista é lindo, é importante, é sinal da inteligência e da decência de qualquer ser humano. Como diz a ativista nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie: sejamos todos feministas!